Antônio Francisco da Costa e Silva (Amarante, 28 de novembro de 1885 — Rio de Janeiro, 29 de junho de 1950) foi um poeta brasileiro.<br />
Começou a compor versos por volta de 1896, tendo seus primeiros poemas publicados em 1901. Todavia, seu primeiro livro de poesia, Sangue, somente foi lançado em 1908.<br />
Exerceu função pública na Presidência da República do Brasil, entre 1931 e 1945, a pedido do então presidente Getúlio Vargas. É o autor da letra do hino do Piauí.<br />
Pertenceu à Academia Piauiense de Letras, Cadeira 21, cujo patrono é o padre Leopoldo Damasceno Ferreira.<br />
Guilherme Luiz Leite Ribeiro disse que Costa e Silva era pavorosamente feio, o que influiu na sua carreira:<br />
"Nos tempos do barão do Rio Branco não havia concurso para ingressar na carreira diplomática, e a seleção era feita pessoalmente por ele, que conversava com os candidatos, em geral pessoas de família conhecida, de preferência bonitos e que falassem línguas estrangeiras. Antônio Francisco da Costa e Silva, ilustre poeta e pai do embaixador e acadêmico Alberto Vasconcellos da Costa e Silva, conversou com o barão sobre a possibilidade de ingresso na carreira, porém o chanceler foi taxativo: - Olha, o senhor é um homem inteligente, admiro-o como poeta, contudo não vou nomeá-lo porque o senhor é muito feio e não quero gente feia no Itamaraty..." Poemas De sua cidade Amarante- Piaui, Caracterizava uma das suas obras.
Share
twitterlinkedinfacebook
COSTA E SILVA
Antônio Francisco da Costa e Silva (Amarante, 28 de novembro de 1885 — Rio de Janeiro, 29 de junho de 1950) foi um poeta brasileiro.
Começou a compor versos por volta de 1896, tendo seus primeiros poemas publicados em 1901. Todavia, seu primeiro livro de poesia, Sangue, somente foi lançado em 1908.
Exerceu função pública na Presidência da República do Brasil, entre 1931 e 1945, a pedido do então presidente Getúlio Vargas. É o autor da letra do hino do Piauí.
Pertenceu à Academia Piauiense de Letras, Cadeira 21, cujo patrono é o padre Leopoldo Damasceno Ferreira.
Guilherme Luiz Leite Ribeiro disse que Costa e Silva era pavorosamente feio, o que influiu na sua carreira:
"Nos tempos do barão do Rio Branco não havia concurso para ingressar na carreira diplomática, e a seleção era feita pessoalmente por ele, que conversava com os candidatos, em geral pessoas de família conhecida, de preferência bonitos e que falassem línguas estrangeiras. Antônio Francisco da Costa e Silva, ilustre poeta e pai do embaixador e acadêmico Alberto Vasconcellos da Costa e Silva, conversou com o barão sobre a possibilidade de ingresso na carreira, porém o chanceler foi taxativo: - Olha, o senhor é um homem inteligente, admiro-o como poeta, contudo não vou nomeá-lo porque o senhor é muito feio e não quero gente feia no Itamaraty..." Poemas De sua cidade Amarante- Piaui, Caracterizava uma das suas obras.

Filename: LA20130524AN0062-COSTA-E-SILVA.jpg
Source: LAETI IMAGES
Date: 24 May 2013
Location: PARANÁ BRASIL
Credit: LAETI IMAGES
Copyright:
Model Release: No
Property Release: No
Restrictions: ALL IMAGES MUST CONTAIN MINIMUM CREDIT WITH FONT SIZE SIMILAR TO TIMES 7. Acervo Laeti Imagens / www.laeti.com.br - (Todas as imagens devem conter crédito mínimo com tamanho da letra similar ao da Times tamanho mínimo 7. Acervo Laeti Imagens / www.laeti.com.br)
Direct Link:
View This Image's Galleries: Intelectualidade Brasileira: séculos XVII a XX / Brazilian intelligentisia: 17th to 20th century
Keywords:
  • ANTÔNIO DA COSTA E SILVA
  • Academia Piauiense de Letras
  • Antônio Francisco da Costa e Silva
  • COSTA E SILVA
  • ESCRITOR
  • GARNIER
  • M. J. Gravura
  • LITERATURA
  • POET
  • POETA
  • WRITER